Bioindústria florestal beneficia ativos naturais

Extrativismo ecológico contribui para a preservação do meio-ambiente e o progresso socioeconômico
bioindústria florestal bioeconomia da floresta
  • A bioindústria florestal (bioeconomia da floresta) industrializa os ativos naturais dos biomas brasileiros sem alterar o seu equilíbrio. Assim, permite preservá-los gerando valor econômico para eles;
  • É parte do que se conhece como “economia da floresta em pé e dos rios fluindo”;
  • Faz parte também da bioeconomia, tendência mundial defendida, entre outras instituições, pela FAO e pelo BNDES.

Você sabia que o Brasil é o país com a maior biodiversidade do mundo? Esse fato gera uma oportunidade e um desafio: como explorar economicamente essa biodiversidade e, ao mesmo tempo, preservá-la sem alterar o equilíbrio ecológico? Um caminho que o AgroReset defende para isso é a bioindústria florestal, também conhecida como bioeconomia da floresta.

O que é bioindústria florestal?

Os ecossistemas brasileiros são ricos em ativos biológicos de plantas e animais que podem se tornar produtos de alto valor agregado, gerando desenvolvimento sustentável. A Amazônia, por exemplo, detém a maior biodiversidade do planeta. São cerca de 16 mil espécies de árvores e mais de 5.500 espécies de vertebrados.

A bioindústria da floresta é uma maneira de industrializar esses ativos por meio de um extrativismo ecológico.

Esse modelo surge como uma terceira via entre o puro conservacionismo (primeira via) e o puro desenvolvimentismo (segunda via). Enquanto a primeira enfatiza somente a proteção de grandes áreas florestais, deixando-as intocadas, a segunda baseia-se no desmatamento para uso intensivo da terra para a agropecuária, a mineração e energia elétrica.

A terceira via, proposta pelo professor Carlos Nobre (doutor em meteorologia pelo MIT e ex-pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisa – INPE), dá prioridade ao desmatamento zero e à restauração florestal por meio do desenvolvimento sustentável baseado na bioeconomia da floresta em pé e rios fluindo.

O conceito surge da própria cultura e do conhecimento tradicional dos povos ribeirinhos e indígenas da Amazônia, que desde sempre aproveitam o que a floresta oferece sem destruí-la. A bioindústria florestal aproveita esses ativos naturais para a produção de alimentos, medicamentos, produtos de base biológica para as mais diversas indústrias e bioenergia.

Conheça alguns exemplos

Um exemplo é o cultivo de cacau. O cacaueiro requer a sombra da floresta para crescer e dar frutos. Por isso, os produtores plantam pés de cacau dentro da floresta e preservam as árvores mais altas, que geram a sombra necessária. Assim, só é necessário desbastar a parte interna da floresta, o chamado sub-bosque, para colher o fruto e vendê-lo à indústria do chocolate.

Outro exemplo são marcas de perfumes produzidos com essências da Amazônia, coletados usando-se a mão-de-obra e o conhecimento tradicional dos habitantes da região de maneira sustentável. Dessa maneira, é possível usar esses ativos biológicos o máximo possível sem exaurir as plantas e ainda gerando progresso social ao aumentar a renda e a qualidade de vida aos povos da floresta.

Em projetos de bioindústria florestal busca-se não alterar o ecossistema, ou alterá-lo minimamente sem afetar o seu equilíbrio. É uma prática essencialmente extrativista, aproveitando o que já está disponível na natureza, porém fazendo isso com critério, sem exaurir os recursos naturais.

Bioeconomia é uma tendência mundial

A bioindústria é parte importante da bioeconomia. Essa é uma tendência global defendida, por exemplo, pela FAO, agência da ONU que lidera esforços para a erradicação da fome e combate à pobreza. E que a defende como meio de se combater a poluição e as mudanças climáticas.

Em 2018, Maria Helena Semedo, diretora-geral adjunta da FAO para Clima e Recursos Naturais, afirmou durante a Cúpula Global de Bioeconomia que:

“Uma bioeconomia sustentável, que utiliza biomassa – materiais orgânicos, como plantas e animais – em oposição aos recursos fósseis para produzir bens materiais e alimentos, é fundamental para a natureza e para as pessoas que cuidam dela e produzem biomassa”.

Ela completou a sua explicação afirmando que esse processo envolve agricultores familiares, silvicultores e pescadores que, segundo ela: “possuem conhecimentos importantes sobre como gerir recursos naturais de forma sustentável”. Defendeu ainda que a esse saber tradicional, que deve ser valorizado, se aliem inovações como a biotecnologia e tecnologias da informação, a fim de atender aos setores agrícolas.

Corroborando essa opinião, o relatório A Bioeconomia Brasileira em Números, publicado pelo BNDES afirma que: “para o país, além de significativos efeitos positivos do ponto de vista ambiental, a bioeconomia tem um elevado potencial de adição de valor, especialmente ao agronegócio, atividade em que o Brasil é notadamente competitivo”.

Como explicamos anteriormente, a bioindústria florestal faz parte dos segmentos que o AgroReset defende para fomentar o agronegócio sustentável, tornando o Brasil protagonista global do desenvolvimento sustentável. Sendo os demais: biomas plenamente preservados, sistemas agroflorestais (agroflorestas), sistemas orgânicos (agricultura orgânica) e agricultura periurbana.


Foto: Colheita de cacau (Sistema CNA/ Senar. Foto editada por AgroReset).

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

conteúdos relacionados