Brasil recebe a primeira certificação de cafeicultura regenerativa do mundo

Empresa de multicultivos AgroBeloni é reconhecida internacionalmente pelas suas práticas sustentáveis
Fazenda brasileira recebe a primeira certificação de cafeicultura regenerativa do mundo agroRESET

A fazenda Santa Cruz da Vargem Grande, pertencente à empresa familiar AgroBeloni, tornou-se a primeira produtora de café no mundo a receber a certificação de agricultura regenerativa Regenagri®. A certificação é emitida pela empresa britânica Control Union, presente em mais de 70 países, e reconhece as boas práticas e o uso da tecnologia, aliada a ações com foco na agricultura regenerativa. A AgroBeloni é sediada no município de Patrocínio, Minas Gerais, uma das principais regiões produtoras de café do Brasil.

Com mais de 50 anos de atuação em agricultura, a AgroBeloni produz café há cerca de oito anos. Suas fazendas têm sistemas de cultivo de 80% irrigados e bem diversificados. Além do café, que ocupa hoje uma área de 420 hectares da variedade arábica, ainda há outros 5.000 hectares destinados aos multicultivos, como: soja, milho, cebola, sorgo, cevada, batata, trigo, eucalipto e feijão.

“Essa primeira certificação mundial é um orgulho para a AgroBeloni. É o compromisso de avançar ainda mais no caminho da sustentabilidade e da produção consciente pela preservação e equilíbrio da agricultura com o meio ambiente”, diz Fernando Nogues Beloni, diretor da produção cafeeira.

Transição para a cafeicultura regenerativa foi um processo natural

Segundo Fernando, o interesse pela agricultura regenerativa aconteceu de forma natural e a certificação foi instigada a partir da comercialização do seu café pela Expocaccer (Cooperativa dos Cafeicultores do Cerrado) a uma empresa francesa que externou o interesse pela certificação.

“Os franceses me perguntaram se eu tinha algo voltado para agricultura regenerativa. A substituição dos fertilizantes e defensivos químicos por orgânicos, dentre outras práticas sustentáveis, já era uma realidade nas fazendas e, com o questionamento deles, resolvi buscar uma certificação internacionalmente reconhecida que confirmasse o que nós já estávamos fazendo. O resultado foi melhor do que o esperado”.

“Inicialmente diminuímos a utilização dos defensivos químicos para possibilitarmos a regeneração da vida biológica do solo e plantas na fazenda, mas ao perceber os benefícios gerais na lavoura, resolvemos profissionalizar os trabalhos voltados para agricultura regenerativa e contratar uma consultoria para então obter a certificação”, destaca Fernando.

Outro incentivo para essa transição são os consumidores cada vez mais conscientes. Atentos à origem e qualidade dos alimentos que chegam às mesas de suas casas, os consumidores atualmente buscam cafés mais saudáveis e produzidos de maneira ética e ambientalmente responsável. Nesse contexto, certificações como a Regenagri® são importantes para a sua decisão de compra.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

conteúdos relacionados